• Cristina Horst

ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA PARA QUEM DETESTA PLANILHA!


Eu sei, seu sei, o grande terror quando se fala em organização financeira é logo pensar que precisaremos lidar com planilhas complexas e informações difíceis de entender.


Mas eu estou aqui pra desmitificar esse assunto com você e te explicar que planejar e organizar a sua vida financeira pode e precisa ser mais simples que isso!


Planejamentos muito complexos e que não respondam diretamente à sua necessidade são perda de tempo, porque a chance de você desistir no meio do caminho é imensa. Afinal de contas, organizar as finanças não é a coisa mais divertida que existe pra fazer na vida, né? Existem várias outras tarefas que concorrem com essa, e quanto mais fácil a deixarmos, menor a chance de fugirmos dela.


Ninguém busca a organização porque é gostoso ou por puro prazer.


A gente busca a organização porque sabe que ela é um elemento fundamental para alcançarmos aquilo que desejamos, já que o planejamento aumenta exponencialmente a chance de realizar os nossos projetos e desejos.


Por isso, o primeiro princípio que sua organização financeira deve obedecer é de que você consiga entender tudo o que está ali. Entender para poder tomar decisões com base nessas informações.


E aqui eu poderia escrever laudas e mais laudas sobre as diversas formas de se organizar, mas para te poupar já vou logo avisando: não existe fórmula mágica nem um único jeito certo de fazer isso. Cada um se entende de um jeito e essa liberdade precisa ser mantida para a sua organização funcionar.


Vou te apresentar três ideias principais, que acredito que possam te ajudar nessa caminhada em busca de alguma clareza a respeito das próprias finanças: o método 70/30, a técnica dos envelopes e o rastreamento semanal. Se alguma dessas dicas te ajudarem, já me dou por satisfeita!


1- Método 70/30: A proposta é de que você consiga “se pagar primeiro”. Ao receber seus rendimentos do mês (seu salário), você já deve, imediatamente, separar o valor para poupar para suas realizações futuras, que equivale a cerca de 30% dos seus rendimentos. Os 70% restantes é o que irá custear a manutenção da sua vida de hoje, com os gastos do dia a dia como moradia, alimentação, saúde e transporte. Assim, ao receber você já investe para seus objetivos futuros e vive com o que “sobrar”.


2- Técnica dos envelopes: Essa técnica ajuda especialmente aqueles que têm mais dificuldade para manter o controle nos gastos. Ela consiste em, assim que você receber, já separar dentro de envelopes diferentes os valores específicos para gastar com cada categoria da sua vida, como por exemplo: alimentação, moradia, transporte, saúde e educação.


O modo de executar também é bem simples: para realizar os pagamentos durante o mês, você deve usar o valor em dinheiro vivo que está em cada um dos envelopes e se manter dentro desse limite financeiro. Lembre-se: utilizar dinheiro em espécie faz toda a diferença nessa dinâmica, já que existem diversos estudos que comprovam que o pagamento em dinheiro vivo nos induz a gastar menos.


Essa técnica é especialmente eficaz para o controle dos gastos variáveis, que são aqueles que a gente nunca sabe ao certo quanto que vai ser no mês, como por exemplo, com lazer.


3- Rastreamento semanal: É uma técnica simples, que vai exigir que você se dedique apenas um pouco de tempo toda semana, pois ela foca em identificar como acontece o seu mês.

Funciona assim: escolha um dia da sua semana para fazer seu controle, por exemplo, toda segunda-feira. Então, anote a data e o saldo bancário inicial da sua conta. Durante os próximos 7 dias, você irá anotar as entradas e saídas desse período e ao final, anotar novamente a data e o saldo bancário. Então, repita o processo por todas as semanas do mês que já será possível identificar como funciona sua dinâmica financeira, conhecendo os períodos em que recebe ou gasta mais. Assim, você já terá informações suficientes para pensar em novas estratégias de planejamento de acordo com o funcionamento do seu mês.


Pra facilitar a sua vida, recomendo que você agrupe gastos e faça um único saque para os gastos daquelas despesas variáveis, como o dinheiro do cafezinho e do pão do final da tarde. Assim você terá menos movimento na sua conta (o que vai diminuir a preguiça de fazer anotações), e vai ter um controle maior sobre esses gastos, já que estará limitado ao valor sacado.


O método é apenas uma ferramenta para te ajudar a alcançar seus objetivos. Não tem importância se você não gosta de planilha, existem outras técnicas tão eficientes quanto.


O mais importante aqui é que você saiba o que está acontecendo com o seu dinheiro para poder fazer escolhas mais assertivas em busca do que te traz felicidade.


Até a próxima!