• Cristina Horst

O SONHO DA CASA PRÓPRIA: COMO REALIZÁ-LO?

O sonho da casa própria faz parte da vida de muitos de vocês, e confesso, já fez parte do meu também. As respostas que eu mais ouvi até hoje para justificar o porquê desse desejo foram: ter um “lugar pra chamar de meu”, ter “segurança” e parar “de dar dinheiro pros outros”.


A conta aqui não é só matemática e as decisões estão profundamente relacionadas à nossas emoções. Por isso, vamos deixar de lado a discussão se imóvel é ou não investimento para passarmos à questões práticas de como você pode realizar esse sonho.


Esse texto é pra você que quer transformar um imóvel em lar e ainda não tem todo o dinheiro pra realizar isso de uma só vez.


A busca pelo imóvel

O tipo de imóvel, o padrão de construção e a localização dele são essenciais para a sua escolha.

Conhecer o valor do metro quadrado na região e buscar mais informações sobre o bairro vão te ajudar a entender melhor a composição do preço dos imóveis no local desejado.

Um bom parâmetro de referência para avaliar se o preço que você pagará pelo imóvel está justo é saber quanto ele custa à vista. Saber o valor real, sem juros vai te ajudar a entender se o montante total que você pagará ainda mantém esse como um bom negócio.



A compra de um imóvel acontece em duas etapas principais: a primeira é juntar o valor para dar a entrada, e a segunda é o financiamento do valor que restou.


E a conta aqui é bem simples: quanto maior a entrada, menor o valor financiado e por consequência, menor será o valor pago em juros.


Organização para a entrada

Aqui não tem muito que fazer: esse valor precisa ser em dinheiro e geralmente corresponde a 30% do valor total financiado.

A melhor forma de se organizar pra isso é definir qual é o valor que você precisa e começar a juntar como se já fosse a parcela de um financiamento. Você só vai mexer nesse dinheiro quando tiver o valor total que precisa.

Pra engordar esse montante vale buscar outras formas de renda extra e aproveitar momentos como o do recebimento do décimo terceiro e férias para aumentar o valor guardado.


Financiamento

O financiamento é um tipo de empréstimo, onde o dinheiro precisa ser utilizado na aquisição que você informou para o banco. Quanto maior o prazo de tempo para devolver esse valor para a instituição que te emprestou, mais juros serão cobrados.

O desafio é encontrar o equilíbrio entre o prazo ideal para os pagamentos e o valor das parcelas. Pra fazer isso, a melhor saída é realizar simulações. As instituições costumam oferecer essas simulações em seus sites, e CLICANDO AQUI você poderá acessar o simulador da Caixa Econômica Federal.

Vale lembrar existe a possibilidade de utilizar o saldo do FGTS para abater as parcelas do financiamento. Se você tiver essa possibilidade, pode ser um bom negócio.



Sistema de amortização

A amortização significa a redução da dívida. Quando se trata desse assunto, existem dois sistemas de cobrança: a Tabela SAC e a Tabela Price.

- SAC - Sistema de Amortização Constante: o valor da parcela vai diminuindo ao longo do tempo. Apesar dos juros serem concentrados especialmente nas parcelas iniciais, esse formato se torna mais fácil para pagar, pois o valor da parcela é decrescente.

- Price: o valor das parcelas é fixo durante toda a duração do financiamento, e os juros são divididos por igual ao longo do contrato.


Taxas de juros

Encontrar as instituições com as melhores taxas de juros pode ser outro desafio. O Banco Central disponibiliza uma relação das taxas de juros de acordo com as instituições. Você pode consultar AQUI .

Mas lembre-se: essa tabela serve como um parâmetro inicial para você buscar as instituição para criar suas simulações. A definição final dessas taxas também vão variar de acordo com o seu perfil, valor da entrada, valor do financiamento, prazo de duração e outros critérios adicionais.

Ressalto que além da taxa de juro você também deve ficar atendo ao CET – Custo Efetivo Total. Esse valor inclui a taxa de juros mais as outras taxas incluídas no financiamento e é a referência saber definitivamente qual é a taxa total que você pagará em juros.


Outros custos

Em um financiamento imobiliário existem outros custos que também precisam ser considerados. No momento da negociação lembre-se de se informar sobre eles, como: escritura, registro da compra em cartório, certidões, taxa de avaliação, ITBI - Impostos de Transmissão de Bens Imóveis, etc.


Programe seu orçamento

Durante o planejamento desse seu sonho você deve se atentar a três itens principais: os juros, o tamanho da parcela e o tempo que estará comprometido com esse financiamento.

Comprometer o seu orçamento de modo a deixá-lo muito apertado pode te trazer problemas futuros, porque quando falamos de financiamento imobiliário, já sabemos que estamos tratando de longos períodos de tempo.


Programa Minha Casa Minha Vida

Programas como o “Minha Casa Minha Vida” disponibilizam o valor para o financiamento de acordo com um percentual sobre a renda familiar bruta.

No site da Caixa, que já mencionei anteriormente, é possível realizar a simulação para conhecer as taxas de juros, o valor do subsídio, o valor mínimo de entrada e o valor máximo disponibilizado de acordo com a sua faixa de renda.


Principais riscos de um financiamento

Os riscos listados aqui se referem principalmente ao comportamento de quem deseja a casa própria:

- Não estar ciente de todas as outras despesas que são assumidas junto ao compromisso do financiamento, como o IPTU e a manutenção do imóvel;

- Superestimar a própria capacidade de pagamento e desconsiderar o peso das prestações e dos juros ao longo do tempo;

- Deixar-se agir pela emoção e esquecer de conferir informações importantes como: termos contratuais; idoneidade da empresa que está comercializando ou construindo (especialmente em se tratando de imóveis na planta), etc.


O certo é que não existe resposta certa quando tratamos de sonhos. No entanto, pra transformá-lo em realidade você vai precisar de muita dedicação e organização.

Espero que esse texto consiga te ajudar nos primeiros passos!


Até a próxima!


Clique AQUI e confira mais dicas como essas no meu canal do YouTube!