• Cristina Horst

COMO CRIAR UM PLANO PARA APOSENTADORIA

Há algum tempo atrás, quando se pensava em aposentadoria a primeira imagem que saltava à mente era de um casal de velhinhos de cabelos brancos e bengala. Hoje já não é bem assim, não só porque a expectativa de vida tenha aumentado, mas também porque temos condições de envelhecer melhor.


Assim, a ideia de aposentar também está se modernizando e agora já pode significar algo bem diferente do que foi um dia.


Quero que enquanto leia esse texto pense na aposentadoria como a oportunidade de fazer escolhas que não precisem estar comprometidas com a necessidade de gerar renda.


Criar esse futuro aí pode ser bastante desafiador, especialmente se você não tiver um plano. Isso porque são muitos os desejos que competem com a busca desse futuro tranquilo, como a viagem do final do ano, a troca do carro, as parcelas da casa e por aí vai.


É justamente aí que o planejamento financeiro apresenta a sua “mágica”: te guia no caminho da garantia da qualidade de vida atual sem comprometer a sua tranquilidade futura.


As realidades e os desejos de cada pessoa são muito diferentes entre si, e para criar um plano efetivo para seu futuro, temos duas informações essenciais para o marco do seu ponto de partida.


Ponto de partida: aonde estou e para onde vou!

A primeira é saber “onde estou”. Isso inclui identificar não apenas a sua idade, mas também tudo o que já fez ou faz por esse futuro que você espera. Você mesmo pode fazer um levantamento para entender qual é essa realidade: se contribui para o INSS, tem investimentos destinados ao seu momento de aposentadoria, possui previdência privada, tem a previsão de contar com o aluguel de imóveis, etc.


A segunda é entender “onde você quer chegar”. Essa pergunta é um pouco mais complexa, e da mesma forma fundamental para definir qual é o esforço que você precisa fazer para alcançar os resultados que espera. E é aí que o planejamento financeiro faz toda a diferença porque ele vai te ajudar a encontrar essa resposta de forma totalmente customizada, ou seja, totalmente adaptado à sua realidade.


Se você não tem ideia de por onde começar, fica tranqüilo que vou te apresentar o método “IMC do Bolso”.


Na pratica, como começar?

O “IMC do Bolso” é uma boa forma formas de começar a montar seu plano de aposentadoria, se mostrando uma excelente ferramenta pra quem ainda não tem ideia de como começar. Com o passar do tempo e à medida que você for ganhando mais conhecimento, poderá refinar o seu planejamento e fazer as adequações necessárias.


Nesse momento, o mais importante é que você comece!


A ideia aqui é que você tenha metas de poupança / investimento e que comece a agir em função delas. O “IMC do Bolso” vai te dar esse norte.


Funciona assim: a proposta é de ter metas de investimentos de acordo com a sua idade e sempre baseada na sua renda, seguindo a sequência “1,3,6,9’. Assim, a meta de poupança segue essa lógica: aos 35 anos você deve ter o equivalente a 1 ano da sua renda investido; aos 45 anos o equivalente a 3 anos; aos 55 o equivalente a 6 anos; e ao chegar aos 65, ter 9 anos de renda investidos.


Quanto mais cedo você iniciar seu movimento de poupar e investir para essa tranquilidade futura, mais rápido chegará nela, pois o efeito dos juros compostos que os investimentos te proporcionam é fundamental para recompensar o seu esforço de poupar.


Como cuidar e onde investir o dinheiro da aposentadoria?

Essas são as perguntas da vez, mas infelizmente não existe uma única resposta certa. Por existirem infinitas combinações pra essa resposta, o que me proponho é te dar algumas ideias e instruções importantes.


- No momento de escolher onde investir o seu dinheiro, nunca se baseie apenas pela rentabilidade. Lembre-se de que quanto maior a promessa de rentabilidade, maior o risco desse investimento.


- Ao estabelecer suas próprias metas de investimento mensal e esteja comprometido com isso. Se hoje não for possível começar a poupar o valor ideal, comece com menos e se programe pra esse aumento ao longo do tempo.


- Invista regularmente, pois o efeito dos juros compostos ao longo do tempo é potencializado com a consistência com que você investe.


-Se você ainda não tem muita intimidade com o mundo dos investimentos, recomendo que comece sua jornada buscando opções mais seguras e que, minimante, deixe seu dinheiro a salvo da inflação, corrigindo o seu dinheiro ao longo do tempo.


- Os títulos públicos do Tesouro Direto são boas opções para quem vai começar, pois oferecem certa segurança, possuem opções de rendimento atrelado ao IPCA e tem valores iniciais de investimentos muito acessíveis (algo em torno de R$40,00).


- Estude sobre as opções disponíveis e à medida que ganhar conhecimento e segurança, diversifique a sua carteira de investimentos. O longo prazo exige uma carteira diversificada e isso inclui um pouco de risco, devidamente calculado.


- Seja sempre realista, especialmente com a sua capacidade de poupar e de se manter fiel à sua estratégia pessoal.


Lembre-se de que não existe fórmula mágica, então faça o seu melhor e esteja disposto a criar correções ao longo do caminho. Ciente de qual é o seu objetivo e se comprometendo com o futuro que você que, tenho certeza de que alcançará seus objetivos.


E se precisar de uma mão no caminho, me manda uma mensagem! Vamos juntos criar o seu planejamento! Topa? Me chama AQUI!


Até logo!